30 de julho de 2011

#Divas da Música;



Eu não sei como foi que surgiu esse assunto, e também nem sei porque vou postar sobre isso, mas sei que eu estava falando com um amigo sobre música e de repente eu estava pensando nos por ques de eu amar as meninas da minha lista de Divas da Música. Parece tosco, mas eu realmente gosto de falar sobre música. Geralmente eu digo que não vivo sem música, e é verdade. Eu me sinto tão melhor quando estou ouvindo canções; é como se todos os momentos que tenho precisassem de uma trilha sonora. 

Então, a Lista:

Diva Número Um da Música: não que seja novidade (aos que convivem comigo): Hayley Williams. Men, tenho que dizer que a conheci em novembro de 2007 e que a princípio e não gostei dela. Sério. Eu fiquei, tipo: "Caramba, mais uma emo no mundo". Eu me lembro que a vi pela primeira vez em um programa que passava na MTV Americana (na época em que passavam programas, não apenas clipes) e ela estava com o cabelo laranja. Eu pensei: "Meu Deus, por que alguém iria gostar dela?". Aí, dois meses depois, eu comecei a me arrepender por tê-la odiado. Isso porque o clipe de Crushcrushcrush não parava de passar na tv e eu o assistia assiduamente. E foi bem aí que me encantei pelo Paramore. Desde aquele dia, nada nem ninguém consegue me fazer destrir o que sinto por eles. Parece piegas (e talvez seja mesmo), mas, cara, eu aprendi um monte com eles. Mas acho que pela Hayley ser a vocalista e ser a que mais fala e está em contato com os fãs, eu me inspiro mais nela. Antigamente ela postava mais no LiveJournal e eu me lembro de amar os posts dela. Ela me fazia parar e pensar, sabe? Ela é a minha grande inspiração de amor e de lições na vida. Ela sempre sabe o que dizer para os fãs. E o melhor é que ela vive sua vida com humildade, não exatamente como uma rockstar. Eu adoro a simplicidade dela. Sem contar que ela é super simpática com todo mundo e não trata as pessoas com diferença. Às vezes sinto que - mesmo sem querer - ela é uma amiga, mas que está longe demais de mim, sabe? Eu sinto um amor inexplicável apenas por ela ser quem é.

Diva Número Dois da Música: Taylor Swift. Sim, a Taylor, men. Antigamente eu odiava a pobrezinha. Só porque ela é linda e eu tenho inveja do cabelo dela (tenho mesmo!). Não, sério, eu realmente não gostava dela. Só comecei a apreciá-la em abril do ano passado, depois que ouvi a música Fearless. A Taylor é uma diva total, men. Suas músicas parecem ser uma extensão dos meus sentimentos, sem falar que ela também é tão humilde, que nem dá para classificá-la como "artista". Só parece que ela é uma menina comum. 

Diva Número Três da Música: Taylor Momsen. Yeep, sou cheias das Taylor e dos Taylor, haha. Eu conheço a banda dela, The Pretty Reckless, desde ano passado (mas apenas de nome), porém apenas em março deste ano que foi me prestar a ouvir alguma canção da banda. A primeira que ouvi foi You (acho que até postei aqui a música) e eu fiquei: "Uou, ela tem uma linda voz, men!". A partir desse dia, não larguei mais a Taylor. Sério, eu até parei de ouvir um pouco Paramore para ficar ouvindo The Pretty Reckless. Eu admiro muito a Taylor, porque ela é xingada de vadia quase todos os dias e não desiste, sabe? Ela simplesmente diz "seja você mesmo e não se importe com os outros". Sério, ela tem personalidade! 

Diva Número Quatro da Música: Demi Lovato. É, ela é da Disney. É, ela namorou um dos Jonas Brothers e é amiga da Selena Gomez. E daí? Ah, cara, olha tudo o que ela passou! Ela foi até mesmo internada para se tratar e voltou com tudo. De gordinha feia, ela se tornou uma menina cativante e muito fofa! Skyscraper é a música mais linda do ano *-* (E eu odeio o Joe Jonas por ter terminado com ela ._.)

Nina H. 

26 de julho de 2011

#Never Grow Up?;


Sabe, esses dias eu estava pensando demais no mundo e em mim. Acabei percebendo que sinto falta das coisas que já aconteceram e que já foram um dia. Sinto falta daquela pessoa que me fazia rir todos os dias, daquela pessoa que me dizia a melhor frases do mundo, daquela pessoa que me fazia feliz com um mero sorriso. Temos saudades das mínimas coisas, não porque foram momentos felizes, mas porque simplesmente aconteceram. Tenho saudade até mesmo do pior dia da minha vida, porque, naquela época, eu não sabia que hoje eu olharia para ele e diria: "Ba, olha isso! Eu fui muito infeliz, mas tudo bem". E às vezes rir é o melhor remédio para empacotar o momento e deixá-lo na mente. Sinto falta dos segredos, das frases, dos rostos. Mas os dias mudam e constroem muros que nos separam. Quero de volta tudo, mas ao mesmo tempo não me adiantariam de nada. 
O silêncio é a melhor coisa. Ou talvez escutar Lady Gaga no último volume nos ajude a esquecer ou a nos transportar para o dia de ontem. Abandonar ou querer de volta as memórias é o modo visível de crescer. Todos crescem um dia. Tem gente que cresce precocemente, que tem de ser mais responsável do que é necessário, mas tem gente que só vai crescer muito, muito tarde, que mal sabe o que faz. Mas é fato que um dia todos crescem. Às vezes é difícil enxergar a vida real, colocar na cabeça que as coisas agora são assim e não mais como eram ontem. Que agora seu melhor amigo não é mais seu melhor amigo, que ele está longe demais de você para você poder abraçá-lo (e talvez ele nem queira que você o abrace), ou que agora você não é mais a mesma, que já não se sente mais feliz com as mesmas pessoas ao redor, que precisa largar o seu passado e viver do futuro. De repente a luz negra já não é mais aterrorizante e você tenta segui-la para ver onde ela acaba.  Bom, todos crescem. É estranho, porque agora você acha que perdeu aquela pessoa que você mais estima só porque antes ela ouvia No Doubt a agora ouve desde Restart a Lady Gaga. É uma forma de enxergar além do seu próprio mundo, mas alguns não aceitam as mudanças, todos preferem o "antes" do que o "depois". Talvez isso aconteça porque alguns acham que conhecem a pessoa em questão e que "ela nunca faria isso" ou "nunca escutaria isso" ou "nunca usaria vestidos". Isso é o maior saco. Ninguém me conhece o suficiente para ter certeza do que eu vou querer ouvir ou vestir amanhã. Acho que nem eu mesma sou capaz de ter essa certeza. 
E sabe, essa coisa de que às vezes o amor se transforma e ódio e o ódio se transforma em amor é 100% verdade. E não é porque nunca sabemos o que queremos ou sentimos, é só porque tudo à nossa volta está mudando e girando e acabamos nos agregando às diversas formas de amor e ódio. 

x-x-x

n/n (Nota da Nina): yay, mais um texto retirado de meu diário. Ler diários dá uma saudade, sei lá. Mas me faz aprender também. Não me lembro se nesse dia eu estava chateada com alguém (provavelmente, talvez, com o mundo), mas lembro-me de ter aceitado a realidade da questão do texto. E foi mais fácil seguir em frente. Porque, sabe, quando encaramos as coisas de um novo ângulo, tudo parece mudar. E talvez para melhor. 

Nina H. 

25 de julho de 2011

#Amizade e Vida;


Não sei em que ponto de nossa vida começamos a olhar para trás e constatar os momentos felizes, os momentos tristes e os momentos que não queremos nunca mais lembrar. Só sei que uma hora, paramos e queremos tudo de bom de volta e queremos jogar fora tudo de ruim. E no meio disso tudo, acabamos percebendo que perder amigos é uma ferida aberta eterna. Quero dizer, perder os pais não é nada fácil, mas quando vivemos em um caos, tudo bem isso acontecer. Mas, tipo, nascemos sabendo que devemos amar nossa família. Não saímos por aí e nos deparamos com um cara e pensamos: "Opa, acho que quero chamá-lo de pai!". Nós nascemos com mãe e pai - mesmo aquelas criancinhas de orfanato, porque todo mundo sabe que elas não foram concebidas a partir de uma folhagem de repolho, ou de uma botão de rosa, ou levadas pela cegonha feliz. Mas não nascemos com amigos. Não está escrito nas testas das pessoas quem serão ou não nossas amigas. Amigos nós conquistamos. Nós sorrimos e rimos de um jeito especial. Então, quando chega a hora de perdê-los, é um dos momentos mais difíceis da vida. 
É completamente aquele sentimento de inutilidade e de fracasso. É um sentimento que nos faz chorar e querer ficar na cama pelo resto da vida. Porque, se você os perde uma única vez, ninguém garantirá que tudo ficará bem um dia; ninguém garantirá que um dia suas lágrimas de saudade secarão, ou que aquele sentimento agoniante se esgotará. Se os perder uma única vez, para sempre será assim. Mesmo se tudo se acertar e conseguirmos amenizar e esconder a mágoa. Tudo estará em nossos corações a cada segundo. Vamos olhá-los e querer chorar de ódio de nós mesmos. Até que uma hora, nós iremos nos cansar e tudo será rompido para sempre, de uma vez por todas. E aquele pensamento de "Por que não fiz alguma coisa?" se embolará em nossa mente e ficará por lá. Até o último dia. 

x-x-x

n/n (Nota da Nina): não sei por que, mas me deu vontade de pegar um dos meus diários para ler. É engraçado fazer isso, porque encontro desde surtos psicóticos a textos realmente sofridos. Acho que esse pequeno texto é meio sofrido. Lembro que o escrevi chorando, em 06/06/2010, ano passado. Eu tinha tido uma conversa com uma amiga (bem, não tão amiga, hoje em dia, porque né) sobre duas outras amigas e foi deprimente. Chorei horrores e não parei de pensar nelas por muito tempo. Até hoje, se penso em alguma delas, me dá um aperto no coração. Mas, bem, nascemos para aprender. E elas foram a minha maior lição <3

Nina H. 

14 de julho de 2011

#Dica de Livro: Escola de Espiãs - Ally Carter;

                                               
O mundo já é bastante complicado se você é uma menina normal, agora para Cammie Morgan a vida é bem mais do que complicada. Cammie faz parte das Garotas Gallagher, grupo de meninas que estuda em uma escola especial. Lá na Academia Gallagher, Cammie e suas amigas não aprendem matemática ou física; elas têm uma missão bem mais emocinante: proteger o mundo. Cammie é filha de uma das melhores espiãs do mundo. 
Mas tudo começa a se dificultar quando entrar na escola um novo professor e exige de suas alunas muito mais esforço do que o habitual. Em uma noite de aula prática, as meninas são colocadas em missão e é aí que Cammie percebe que o perigo mora bem depois dos muros da escola. Ela conhece um garoto e se apaixona por ele, mas ao mesmo tempo que não consegue segurar o sentimento, sabe que não vai poder ser sincera com ele, pois não é autorizada a dizer que é espiã. Cammie, a partir desse momento, entrar em missões por conta própria para poder ficar junto a Josh e descobrir se ele também gosta dela. 
Eu, pessoalmente, achei a narração muito semelhante à de Meg Cabot, o que me fez apaixonar pelo livro. No Brasil já foram lançados os dois primeiros volumes da série. Super recomendo ;)

Nina H.

6 de julho de 2011

#I'm Not Fucking Ok;


A vida tem um sentindo. Nós nascemos para vencer, para conquistar e para deixar nossa marca no mundo. Nós temos a pá e temos de cavar até onde conseguimos chegar, com o nosso próprio esforço. É assim que é. 
E eu já escolhi o meu caminho. A minha marca não vai ser um hit, ou um personagem na tv. 
Ontem eu ganhei uma notícia. Uma notícia que pode começar a mudar minha vida. 
Ganhei uma oferta de publicação do meu primeiro livro. Sim, isso mesmo. Alguém se interessou por um livro meu. Bom, até aí, tudo bem. Saí gritando pela casa quase à uma da manhã e minha mãe pulou comigo e meu irmão me deu um abraço. Meu pai estava dormindo, e só foi desfazer minha felicidade quando acordou. Ele leu o parecer do cara da editora, e disse que tinha ficado feliz. Mas que não vai investir em nada. Ele simplesmente quer que eu me forme na faculdade antes de sair por aí publicando livros. É. Digo, eu entendo a preocupação dele com a faculdade - eu quero começar a fazer jornalismo. Porém, por que eu vou esperar quando as coisas podem acontecer agora
Eu chorei à noite e chorei hoje à tarde. Eu só fico pensando que talvez eu nunca vá mesmo ser escritora. Porque, tipo, de que adianta eu escrever, se não posso publicar? 
Eu já sabia que teríamos gastos - eu tenho conversado muito com a Gabriela para saber dessas coisas -, mas vetar o dinheiro só porque meu pai acha que as coisas têm de acontecer do jeito dele? E se, tipo, eu morrer antes de acabar a faculdade? E se eu tiver de amputar os dedos das mãos e nunca mais poder escrever? Será que ele não pensa nisso? Porque ficar adiando o meu sonho só me coloca mais para baixo. E não faz sentido esperar quando a vida está claramente me dando uma oportunidade. 
Ele quer que as coisas aconteçam do jeito dele porque não é ele que quer ser alguém na vida, não é ele que vem lutando há dezenove anos para ser reconhecido por algo. Beleza, vamos ver. Porque eu tenho o direito de ter um livro publicado. Sou eu que quebro a cabeça imaginando cenas e sou eu que passo noites e dias escrevendo sem parar. Eu mereço

Beijo beijo ;*

Nina H. 

1 de julho de 2011

#FU FOREVER;

Sério, não sei o que faz algumas pessoas pensarem que são melhores ou mais importantes do que outras. Isso é um saco. Eu sou a pessoa mais invisível de todas e não fico reclamando só porque não recebo asks no tumblr, ou porque não tem mais gente me seguindo aqui. Eu fico satisfeita com o que sou e o que consigo conquistar a partir do que sou. Tem uma negada se achando melhor só porque tem um theme mais frufruzado no tumblr ou porque rebloga sobre Jesus. Ah, já deu, né? Antes era bom porque ninguém ficava com essa de avaliar tumblrs nem de usar falsidade pra cima do outro para ganhar asks nem de xingar o outro só porque não tem o mesmo gosto musical. Mano, quer ficar famoso? Tira a roupa e posta no youtube, sério. Não vá desperdiçar tempo copiando posts ou se fazendo de melhor. Cada um tem o seu valor e todos deveriam saber disso. Sério, estou cansada de não ter alguém para mim, de não passar na porcaria do vestibular, de ter pais que não se suportam e de não arranjar uma editora para meus livros. Uma hora ou vou ir e não vou mais voltar. Agora que se dane, né? Afinal, eu sou apenas mais uma. Beleza, já me acostumei com decepções. 

Beijo beijo ;*

Nina H.