Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Resenha do Filme: Inverno da Alma

by - março 24, 2012

Para quem nunca ouviu falar deste filme antes de saber que a Jennifer Lawrence cedeu seu rosto bonito para viver a Katniss Everdeen em The Hunger Games, provavelmente não tem uma opinião formada acerca do mistério que ronda Inverno da Alma. Eu já tinha ouvido falar deste filme, porque ele foi indicado no Oscar em 2011, mas apenas agora tive mesmo a ganância de assisti-lo! 


Título Original: Winter's Bone
Direção: Debra Granik
Duração: 100 min
Ano: 2010
Gênero: policial, drama
Nota: * * * *






Inverno da Alma é um tipo de filme independente quase comum. Do tipo quanto mais esquisito, real e cru for, melhor. Com seus cenários sempre interioranos e representando uma dura realidade, a história apresenta Ree Dolly (Jennifer Lawrence), uma garota de 17 anos que não tem tempo nem hábito de frequentar baladas, correr atrás de meninos e estar sempre na moda. A vida de Ree baseia-se em cuidar dos irmãos mais novos, da mãe - sempre em estado um pouco catatônico - e da casa. Eles moram na afastada região montanhosa de Ozark, no Estado do Missouri. O pai, Jessup, está ausente; está preso por tráfico de metanfetamina. Ree recebe a visita do xerife Baskin, que não tolera. Ela ainda está convencida de que foi ele que denunciou seu pai sem se preocupar com as provas do delito. Baskin a informa que Jessup acaba de ser solto, mas se não comparecer a um determinada audiência, sua fiança lhe será retirada. E a garantia que o pai de Ree ofereceu foi simplesmente a casa em que a família reside. Para não perdê-la, Ree tem duas opções: achar seu pai e conduzi-lo às autoridades, ou provar que ele está morto. A jovem, então, começa a investigação pela cidade, embora não seja o tipo de pessoa que os vizinhos apreciam. Ree tem que lidar com ameaças e desafios para desenterrar a verdade sobre seu pai.



Esta produção é claramente um filme noir (estilo de filme estruturalmente associado a enredos policiais, que retrata seus personagens principais num mundo cínico e antipático). As principais características do gênero estão lá: um personagem desaparecido (que pode ou não estar vivo), os obstáculos que se despendem pelo caminho (os parentes e conhecidos consultados por Ree não revelam tudo aquilo que parecem saber), e o fator tempo (se a garota não localizar seu pai, perderá a casa). Porém dá para perceber que o desaparecimento de Jessup é apenas a ponta do fio, porque a trama ronda, naturalmente, a situação da jovem que luta para manter sua família unida, preservando sua dignidade naquele ambiente hostil e rústico. 


Inverno da Alma é o segundo filme da diretora Granik. Em 2005, ela escreveu e dirigiu Down to the Bone, pelo qual ganhou o prêmio de melhor direção no Festival de Sundance. Lá, ela contava a história de uma mulher que cria seus filhos ao mesmo tempo que tem lidar com seu vício em cocaína. Aqui, Granik revisita alguns desses mesmos temas, em especial a crise da família e o consumo de drogas. Ao mostrar o modo pelo qual Ashlee acorda Sonny pela manhã, como eles brincam no pula-pula, e criam vários cachorros ao mesmo tempo, a diretora nos transmite a sensação de existe ali uma família verdadeira e não apenas aquela imaginada por muitos. 



O destaque vai para Jennifer Lawrence, no papel de Ree. Sua personagem está em praticamente todas as cenas. Ree são várias mulheres em uma: ao peregrinar de casa em casa, em busca de informações sobre o paradeiro do pai, Ree é determinada. Ao cuidar de seus irmãos, Ree é maternal. Ao chorar na frente da mãe, Ree é simplesmente uma adolescente que precisa de colo. A falta de dinheiro faz com que ela sempre dependa da boa vontade dos vizinhos. Ainda assim, ela ensina aos seus irmãos que não se deve suplicar por aquilo que deve ser oferecido. Ao lado dessa lição de dignidade, Ree mostra uma coragem e um amadurecimento que vão muito além da sua idade real. Dada à ausência do pai e à doença da mãe, ficamos imaginando de quem ela adquiriu essas virtudes. Dentro do seu mundo, Ree é uma super-heroína às avessas, sem super-poderes, e sem capa. 

Achei Ree muito semelhante à Katniss, de The Hunger Games. As duas personagens vivem praticamente na linha da pobreza, tentam ensinar bons valores aos seus irmãos e são as provedoras de suas famílias. Ree pode não carregar um arco e flecha, mas é durona como uma heroína real, tal como Katniss. 


No final das contas, Inverno da Alma entrega exatamente aquilo que promete: uma boa história de superação, ambientada num universo bem distante de nós brasileiros, com personagens bem desenvolvidos e com os quais podemos nos identificar e torcer. Mas fica no ar uma sensação de vazio, de que o filme poderia ter ido mais longe. O que, no fundo, talvez sejam as principais características do cinema independente americano. 


Eaí? Vocês que gostam ou não da Jennifer ficaram com vontade de ver o filme? De verdade, o filme parece nada demais, mas a atuação da Jennifer faz com a história se torne muito vívida e natural. Eu, que não a conhecia, fiquei realmente feliz por ela ser tão boa atriz! O que vocês acham da Jen? 


Com todo coração,
Nina.

You May Also Like

4 comentários

  1. Haha quando li sobre a Ree pensei: ela parece com a Katniss vai ver por isso escolheram ela. Aí você diz a mesma coisa :p
    Ah gostei, parece um bom filme.

    ResponderExcluir
  2. Eu fiquei com muita vontade de assistir, tanto que já pus na minha lista de filme para alugar e ver depois das provas *w* (passarei feriado estudando prova dia 9 -chora-)

    assim que eu ver eu comento de novo aqui de como eu achei sobre o filme *w*.

    obs: qdo vi a foto eu lembrei imediatamente da atriz Katniss de tanto ver trailer hahaha

    ResponderExcluir
  3. Gostei do filme , envolve certos assuntos correntes em certos enredos, a forma que ela retrata é o diferencial...

    ResponderExcluir
  4. Gostei do filme , apesar de alguns temas serem corriqueiros em alguns enredos , mas aborda -los de maneira inusitada ou pouco usual é o que faz toda a diferença...

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM