Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Livro: A Garota Que Eu Quero

by - março 16, 2015

Hoje, trago a resenha de um livro do Markus Zusak. Já tentei ler A Menina Que Roubava Livros, mas achei muito, muito maçante e parei a leitura quase na metade. Uma amiga me falou que A Garota Que Eu Quero (resenhado hoje) foi escrito antes da história da Liesel Meminger e dá para perceber totalmente as diferenças na escrita e na abordagem usadas. 


Título Original: Getting the girl
Autor: Markus Zusak
Editora: Intrínseca
Ano: 2001 (EUA)/2013 (Brasil). 
Páginas: 174
+ 

Fiquei sabendo há pouco tempo que esse livro faz parte de uma trilogia. Cada livro é focado em um dos irmãos Wolfe. A Garota Que Eu Quero é sobre Cameron Wolfe, um garoto solitário, que vaga pelas ruas apenas porque gosta disso, tem um bom relacionamento com a família e que, por um golpe de destino, está apaixonado pela atual namorada de um de seus irmãos, o Rube. Dá para perceber que cada irmão é super diferente um do outro. Rube é o cara bonitão, que encanta qualquer garota que quiser e que as trata como qualquer uma. Troca de namorada a cada semana, praticamente. Steve, o mais velho, já está mais afastado do âmbito familiar, pois mora sozinho, e dá para perceber que ele é um pouco convencido. 
"– Você já ouviu um cachorro chorar, Steve? Sabe como é, uivar são alto que quase chega a ser insuportável? – Ele fez que sim – Acho que uivam assim porque estão com tanta fome que chega a doer, e é isso que sinto em mim, todos os dias da minha vida. Tenho uma fome enorme de ser alguma coisa, de ser alguém. Está me ouvindo? – Ele estava – Não vou me rebaixar nunca. Não diante de você. Nem de ninguém. – Encerrei o assunto – Eu tenho fome, Steve." – p. 100. 
Cam, por ser do tipo calado e invisível, meio que impregna o ambiente com sua personalidade. Então, mesmo que ele esteja com os irmãos, às vezes, as cenas são apenas "silêncios" ou conversas monossilábicas. Com o passar dos dias, Rube e a atual namorada, Octavia, terminam, deixando o caminho "livre" para Cam. 

Octávia é uma personagem nada típica. Ela, por exemplo, dá importância a Cameron  e ele, geralmente, é sempre ignorado por quase todo mundo. É por causa de pequenas coisas compartilhadas que ela e Cameron encontram um "ponto de equilíbrio" entre eles. A princípio, surge uma amizade leve, recheada de conversas sobre quase nada, especialmente porque Octávia não fala sobre sua família, nem vida, e Cameron, sempre fechado, continua uma incógnita para a garota. O autor conseguiu construir gradativamente o relacionamento dos dois de forma suave e até poética, porque Cam tem pensamentos muitos poéticos (e passa a escrevê-los). É tão leve e poético que me deu a impressão de ser um pouco vazio, não sei. Ainda assim, conseguiu me agradar e convencer. 

O maior desejo de Cam é querer tratar uma garota "do jeito certo", porque seu irmão, Rube, não o faz. Ele é um personagem até mesmo um pouco exagerado. Não que seja irremediavelmente romântico, mas há algo de exagerado nele. 
"A gente pode fazer qualquer coisa quando não é real.

Quando é real, não há nada para conter a queda. Nada entre você e o chão e, naquela noite no parque, eu nunca me sentira tão real. Nunca me sentira tão sem controle. Parecia ser como era e como sempre serei".  p.76.
O livro é relativamente pequeno e a leitura é muito agradável, o que me fez, a cada capítulo, me jogar cada vez mais na história e terminá-la em duas noites. Um ponto interessante que refleti por algum tempo é a capa. Ela é bastante simples, como podem ver, nada de muitos efeitos, mas no contexto da história não pude entender o porquê da escolha dos tênis All Star, pois, em momento algum, Cam (que é o narrador) cita esse tipo de tênis. Não sei se a capista quis dar a entender que, por Cam e Octávia serem "diferentes", precisavam de um calçado também assim, que passasse a ideia de que não se importam com a moda etc. 

A história em si não me encantou tanto assim, pois a encarei como mais uma história clichê, mas, com certeza, o personagem principal fez toda a diferença. Os capítulos são pequenos e, entre um e outro, há um texto escrito pelo personagem sobre algo que vai ou já aconteceu no enredo  e acho que esses textos enriqueceram muito, muito mesmo a trama. Esses textos são mais verdadeiros e mais poéticos, dá para entender que o Cameron que narra a história e o Cameron que escreve esses textos são pessoas solitárias, mas diferentes. Enquanto o Camron da história é somente o cara sozinho que não consegue nada na vida, o Cameron dos textos é profundo e muito mais encantador. 

A única coisa que não gostei no texto é um termo que Cameron e Rube usam para "descrever" a namorada de Rube, após o término com Octávia:

"Julia era, claro, uma perfeita vadia. Não há muito que eu possa dizer a seu respeito. Vadia (caso você não saiba) é uma garota que pode ser descrita como meio dada ou animada demais, mas sem ser uma prostituta completa nem nada assim. Masca muito chiclete. Talvez beba demais e fume para se exibir. Chama você de bicha, veado, ou punheteiro, com um adorável sorrisinho falso no rosto. Usa jeans muito apertados e decotes generosos, e não se importa muito se está com o farol ligado. Joias: moderadas a pesadas, talvez com um piercing no nariz ou na sobrancelha, para demonstrar uma originalidade rebelde. E há também a maquiagem. Às vezes, é emplastada feito reboco, especialmente quando há acne envolvida, embora em geral as vadias não sejam nada feias. Têm apenas uma tendência a se enfear, em função do que dizem ou do que fazem. 
E a Julia?
O que posso dizer?
Ela era linda. E loura.
E pra lá de vadia". 

Como puderam ler, é um trecho ridículo e que, na hora, me deu vontade de jogar o livro longe. Talvez você ache que chamar uma garota de "vadia" não seja nada de mais, talvez até mesmo tenha concordado com essa descrição filha da mãe. Mas lembre-se que chamar alguém de vadia não torna você alguém melhor. E, se você for um garoto, rotular uma garota de algo assim somente diz que você é um machista misógino. Surpreendi-me com esse trecho, justamente porque Cameron diz que quer tratar uma garota como ela deve ser tratada. Mas como ele quer fazer isso, se tem essa base de pensamento? Achei muito, muito contraditório. 
“Só há uma coisa que eu sei.
É sobre uma garota, e é isto.
Se um dia sua alma vazar, quero que caia em mim”. p. 127
No entanto, achei o livro tocante por Cameron ser "sozinho". O único vínculo que mantém é com a família e não ficou claro se ele tem, ou não, amigos, pois não entendi se o período narrado era o de férias ou o escolar. A Garota Que Eu Quero se tornou um dos meus preferidos, definitivamente. Não porque o Cam quer tratar as mulheres "de maneira certa" (o que, obviamente, é muito relativo), mas porque ele me lembrou um pouco o Holden Caulfield, que é o meu amor platônico literário <3 As pessoas falam muito sobre solidão e solutide, mas duvido muito que a metade realmente as sinta. É por isso que, talvez, a maioria não entenda personagens que estejam mergulhados nesse psicológico. Não dá para se identificar com algo pelo qual você nunca passou.
"Às vezes, apenas sobrevivo. 
Mas, às vezes, ergo-me no telhado da minha existência, de braços abertos, pedindo mais. 

É então que as histórias aparecem em mim.
Elas sempre me encontram.
São feitas de perdedores e lutadores. São feitas de fome e desejo e de tentativas de levar uma vida digna. 
O único problema é que não sei qual dessas histórias vêm primeiro. 
Talvez todas se fundam em uma só. 
Veremos, acho.
Eu aviso quando decidir". p. 173-174. 
Love
Nina 

You May Also Like

25 comentários

  1. Olá, Nina! Como sempre, amei sua resenha!

    Realmente o trecho vai contra tudo o que você descreveu do Cam e não entendi muito bem o que o autor quis passar com isso. Seria uma evolução do personagem ou o contexto não nos permite afirmar isso?

    Um beijo!
    http://blogfloreando.blogspot.com.br/ <3

    ResponderExcluir
  2. Nina, que resenha legal!
    Já pensei em comprar esse livro diversas vezes, mas sempre desistir por saber que ele é uma trilogia e tal. Ainda estou de ressaca de uma trilogia rsrs
    Mas, fiquei animada como a sua resenha. Quem sabe, eu o adquira nas próximas compras rsrs
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
  3. Ola Nina assim como você abandonei A Menina que roubava livros, achei muito parado, mas amei o filme que contradição rsss. Essa leitura a princípio não me chamou muito atenção, gostei dos pontos que destacou do livro. Vou deixar a dica anotada para ler em outro momento. beijos

    Joyce
    http://www.livrosencantos.com/

    ResponderExcluir
  4. Eu li "A menina que roubava livros" durante a adolescência e amei. Me apaixonei, indiquei o livro para todo mundo! Mas recentemente tentei lê-lo outra vez e já não gostei tanto assim, embora a ideia de ter a Morte como narradora ainda me pareça muito boa.
    Do mesmo autor, li "Eu sou o mensageiro", que todo mundo diz que é ótimo mas que eu não gostei tanto assim, justamente pelo que você apontou nessa sua resenha: clichês, trechos nada a ver... Enfim, talvez a escrita do Marcus Zusak não combine com a gente. Hahahaha
    Um beijinho,
    Mona
    www.literasutra.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Nina! Não cheguei a ler A Menina que roubava Livros mas tenho muita curiosidade de assistir ao filme. Agora com o comentário de que é super cansativo, muito provavelmente não lerei mesmo. Tem muitos livros maravilhosos esperando pra serem lidos e não dá pra perder tempo com algo que será iminentemente ruim, né? Fiquei um pouco confusa se iria ou não gostar de A Garota que eu Quero, como os irmãos de Cam tem uma personalidade muito "complicada", acho que me irritaria no primeiro sinal de arrogância e machismo hehehehe. De qualquer forma, uma resenha é sempre válida, seja pra conhecermos o livro, seja pra nos ajudar a discernir se irá pra nossa cabeceira ou não. Bjo!

    ResponderExcluir
  6. Zusak é MUITO amor pra mim! <3
    Mas esse é um livro dele que nao me da o minimo interesse de ler .
    Parabens pela resenha!
    Super beijo
    Gio - Clube das 6
    www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  7. Já li a Menina que roubava livros há alguns anos e gostei. Mas esse livro acredito que nem compraria, o título já é demasiadamente clichê...
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu entendo o motivo que te levou a ter esse livro como um dos seus preferidos - o tema da solidão. E você chamou destacou isso muito bem na sua resenha. Mas mesmo assim o livro no me cativou. Claro, posso mudar de ideia ao ler o livro.

    Eu não li a Garota que roubava livros. Mas vi o filme e tenho várias críticas em relação a escolhas do diretor. Uma delas tem relação com menina limpinha e com a aparência muito saudável, para uma família que quase não tinha o que comer, em tempos de guerra.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Essa foi a minha primeira leitura desse autor. Comprei o livro na Bienal por pura curiosidade, mas confesso que não gostei muito da escrita do autor, nem do enredo do livro. Fiquei bastante decepcionada.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Nina *-*
    Eu tinha bastante curiosidade com esse livro, mas com o tempo fui ficando desanimada, sabe? E ao saber que ele é parte de uma trilogia também, porque mesmo que seja um livro independente eu prefiro ler todos juntos :c Mas eu gostei muito da sua resenha, deu para perceber que o livro é realmente bom e cativante, então se eu tiver oportunidade vou ler o/

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Esse livro parece ser muito legal, e eu também não sabia que seria uma trilogia, rs.
    Eu também não achei legal o 'vadia' ali do trecho. Vejo muito nos livros, e geralmente não ligo, pois são ditos por vilõezinhos ou personagens 'todo errados", mas nesse caso, foi o protagonista, então foi pesado.
    beijos
    meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Nina, resenha perfeita como sempre.

    Eu conhecia esse livro, mas não sabia como era a historia, muito menos que era uma trilogia...
    Gostei bastante da historia do livro e minha nossa... acho que quero ler

    beijos
    http://livrosetalgroup.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. A menina que roubava livros nunca me atraiu, porque não gosto de livros com temáticas de guerra ou pós guerra. Já este A garota que eu quero me deixou interessada. Confesso que já tinha visto ele por aó em outros blogs, mas ignorei total pelo título, rs.... Mas agora lendo exatamente do que se trata fiquei com vontade de conhecer mais sobre este garoto solitário. Mas esta parte de ser uma série me quebra as pernas viu! To tentando fugir das séries enquanto não acabar as que já comecei. Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oie, tudo bom?
    Eu nunca li nada do autor, mas vontade não falta por causa dos vários elogios sobre suas obras. Eu abandonei A Menina que Roubava Livros bem no início e nunca mais arrisquei. Eu já conhecia essa série e sua resenha me deixou curiosa para começar a investir nessa leitura.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Já tentei ler, mas eu desisti da leitura. Não me prendeu :(
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  16. Oi, Nina.
    Eu também já tentei ler A Menina que Roubava Livros, mas não consegui. Talvez tenha criado altas expectativas demais com ele apos a grande maioria das pessoas venera-lo. É a primeira vez que leio sobre A Garota Que Eu Quero e talvez, se ler o livro, possa aproveitar a leitura, porque além de parecer bem gostosa, não estou cercada de comentários positivos acerca da obra que possam se mostrar irreais depois.
    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando ❤

    ResponderExcluir
  17. Eu cheguei a começar A Menina que Roubava Livros mas mal saí do começo. Até tenho intenção de tentar mais uma vez. O único livro que li do autor foi Eu Sou o Mensageiro e achei bom. Não foi dos que marca para sempre, mas valeu a leitura. Já esse aí nunca tinha me chamado a atenção. Considerando que virou seu favorito, vou pensar a respeito dele com mais carinho e cogitar a leitura.
    :**

    Infinitos Livros

    ResponderExcluir
  18. Olá flor, parabéns pela resenha. Fico triste por não ter gostado do A Menina que Roubava Livros, mas espero que mude de ideia e ter uma nova oportunidade. Estou louca para ler este livro e depois do seu comentário fiquei ainda mais animada, fico muito feliz que tenha gostado da história e se tornado um dos seus livros preferidos.
    Beijos e muito sucesso flor.

    ResponderExcluir
  19. Muita gente não gosta, mas eu adoro histórias clichês e previsíveis, agua com açúcar mesmo. Também gosto de outros gêneros como fantasia, aventura também, mas o meu favorito sempre será romance que a maioria das vezes é um gênero clichê. A capa eu também achei simples mas bem feita e atrativa, o romance tem tudo para me agradar, leria este livro com certeza, espero que em breve.
    Bjs.

    http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi Nina!
    Adorei a sua resenha.
    Ainda não li esse livro, mas já sou fã do autor por A menina que roubava livros!
    E com a sua resenha, acho que apesar de um pouco clichê vai ser um livro que vai me encantar quem sabe até mesmo se tornar um dos meus favoritos.
    Quero comprar ele logo.

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Oi Nina, li no ano passado e só depois que estava lendo percebi que era uma série. Também me senti tocada com a solidão do Cameron. Ele não se tornou meu livro favorito, como foi o seu caso, mas foi uma boa leitura.
    Bjs, Rose.
    Fábrica dos Convites

    ResponderExcluir
  22. Oi Nina, tudo bem?

    Li esse livro tem um tempo, mas ele não me marcou. Li porque gostei muito de A Menina que Roubava Livros, mas achei que esse deixou a desejar um pouco. Apesar disso é sempre legal quando vemos uma opinião diferente da nossa =)

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  23. Ah Nina, tava com saudades daqui.
    Adoro suas resenhas porque sei que você não vai deixar de dizer a verdade, caso seja negativa ou não. Sinto mais segurança em resenhas que não mostram só o lado bom do livro, mas que também deixam claro o lado ruim, ou somente os incômodos. Ando tão sem tempo para pegar um livro e ir até o fim que sinto pontadinhas de inveja em saber que você, mesmo tendo uma vida corrida (também), consegue driblar as duas coisas.
    E que venham mais resenhas, porque este já entrou para a minha lista (enorme) dos mais desejados. Haha.

    ResponderExcluir
  24. Oi Nina!

    Tenho esse livro, mas nunca li. Quem o comprou foi a minha irmã, ela adorou. Ainda não tive a oportunidade em lê-lo. Mas fiquei com vontade depois de ler a sua resenha. Espero ler em breve. Se fizer isso, te aviso!!!

    Beijos, Rob
    http://www.estantedarob.com.br/

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM