Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

Não podemos (nos) proteger para sempre

by - agosto 07, 2016

Não aconteceu de repente, foram meses até aquela luzinha piscar e eu me dar conta de uma parte da vida até então posta na escuridão. Lembrei do seu medo de pegar o carro e de deixar a luz apagada. É melhor assim, você não entenderia. Não entendia mesmo, porque tinha uma bicicleta e a luz pouco me incomodou na retina. Acho que não dá pra entender um medo se as nossas escolhas não são a resposta para ele. Sem carro, você aprendeu a pedalar. Fazia anos que não se reencontrava com esse guia e sorria pelas ruas. A fobia da luz você não conseguiu driblar. Mas acredito que vamos até onde dar pé, até onde quem somos lá dentro da gente berrar de dor. 

Suas dores e berros me fizeram perceber que a bicicleta estava errada e que você precisava ficar horas e horas exposta ao breu completo. Não dá pra curar alguma coisa fugindo disso, né? E, com o sorriso e a lâmpada sobre a cabeça, você fugia quase que furtivamente. Mas, então, isso aconteceu. Eu aconteci bem no meio do seu berro de dor. 

A gente não pode obrigar alguém a entrar num carro ou se trancafiar num calabouço, porque a minha escolha não é a mesma que a sua. Pessoas diferentes, escolhas diferentes, dores diferentes. É tudo diferente, mas uma coisa é igual pra todo mundo: a proteção. Quem pula de para-quedas, ou se declara no primeiro encontro, ou não tem medo da noite, apesar de coragem, tem algum senso de proteção. Quer estar protegido. Isso não diminui quem são, ou o que desejam. Quando você escolheu pela bicicleta e pelo quarto aceso, você quis proteção. E sei que não foi uma escolha sua, mas do seu berro de dor. Aquele último passo antes de reivindicarmos: não dá mais

Quando aceitei seu berro de dor, eu estava continuando a te proteger. Pensei comigo: vai ficar tudo bem, seria errado se eu dissesse não. Mas eu disse sim. E como voltar atrás? Aí aconteceu: é doloroso proteger alguém quando se sabe que, por trás daquilo, existe tamanha dor - algo que não entendi até hoje. O meu berro de dor é diferente do seu. 

Se a gente (se) protege finge que a dor não está ali. A gente não se nega a conviver com os carros na calçada e o apagão de energia após uma tempestade desde que não precisemos guiar nem um automóvel e que a luz apareça algumas horas depois. A proteção está lá, nos reflexos dos vidros e nas chamas das velas. A gente (se) protege com medo do amanhã, de um desculpa, acho que você entendeu errado e da roleta russa que o acaso propõe. A gente (se) protege porque tem medo de que o outro tenha medo. 

Mas a gente deveria mesmo é deixar de ser tão cuidadoso e deixar que o erro (não o berro da dor) (nos) ensine algo. Se não existem machucados, como as cicatrizes vão ficar na gente? A cicatriz é o seu joelho ralado quando fez a curva errada e a bicicleta derrapou. A cicatriz é o seu dedo queimado pelo fogo do fósforo. A gente tem que aprender a deixar as dores irem para que, de proteção, passem a serem memórias. 

E, se você  protege uma memória, do que vai lembrar que viveu?

 Fotografia: @herefallsthenight

///

O tempo passa e a às vezes achamos que não vamos ter como recomeçar.
Eu achei isso por sete meses (o último texto que postei no blog foi em janeiro).
Felizmente, sempre existem pessoas e momentos que nos fazem relembrar da vida
e do quanto ainda somos e temos pela frente.

Um abraço quentinho pra Carol, a única pessoa que entende o que é ser um spark

Love, Nina :)

You May Also Like

17 comentários

  1. Nina, que saudades dos seus textos! <3 (Faz isso com a gente mais não). "A gente (se) protege porque tem medo de que o outro tenha medo. " Sabe, eu venho fazendo isso. Ando com medo de amar, tava até comentando esses dias que não posso me apaixonar, vai acabar mal. (Coisa de quem já se despedaçou muitas vezes), mas tudo bem se despedaçar, todas as cicatrizes me fizeram a pessoa que sou hoje. E nós não podemos desistir de viver e de criar memórias e momentos que quem sabe (queira Deus que sim) se transformem em "para sempre". <3
    Bjs
    Joh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S.: para sempre, não na ideia de vida perfeitinha, nada disso. Mas em duas pessoas imperfeitas lutando juntas para fazer dá certo, mesmo que o caminho nem sempre seja fácil. ^^

      Excluir
  2. nossa, tempão sem postar nada hein??? :o
    espero que você retome o ritmo sem se ver forçada a isso... enfim...
    sobre o texto, faz a gente refletir muito... cada um tem uma maneira diferente de lidar com isso...
    bjs...

    ResponderExcluir
  3. Oiii.
    Nina seus textos são maravilhosos, sempre bem escritos e trazem uma reflexão que sempre mexem com a gente.
    Adorei o post, parabéns
    Bjs Mary.
    http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa a crônica, ou texto, que seja.
    Acho que todos tentando proteger alguma memória do que viveu, alguém que marcou profundamente, isso é algo bonito do ser humano.

    ResponderExcluir
  5. Oiii Nina, como vai?
    Realmente, creio que a gente precise sofrer em alguns momentos, querendo ou não, não temos como fugir disso, a vida mesmo vem atrás e nos faz sentir algo bem diferente, adorei o texto e adoro todos os que tu traz sempre.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Nem preciso dizer que você arrasa, pq seria repetir o que todos já sabem e o que eu mesma já disse em comentários de outros textos seus. Não deixe de escrever mais, ok? Seus leitores agradecem.

    ResponderExcluir
  7. Nem preciso dizer que você arrasa, pq seria repetir o que todos já sabem e o que eu mesma já disse em comentários de outros textos seus. Não deixe de escrever mais, ok? Seus leitores agradecem.

    ResponderExcluir
  8. Menina, parabéns pelo texto.
    Além de bonito ele é bem reflexivo.
    Acho que tudo tem sua maneira e seu tempo.
    Espero que você volte a escrever mais e que isso te dê prazer que é o mais importante.

    ResponderExcluir
  9. Menina que texto incrível!!!
    Lindo e extremamente reflexivo. Amei!! Parabéns :D

    Continue escrevendo, não pare mais não, você tem um dom incrível para deixar guardado.

    ResponderExcluir
  10. OI Nina
    Que texto bacana
    Adorei o post
    Vou voltar mais vezes
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Nina, que lindo texto! Parabéns!
    Super reflexivo e repleto de verdades que se encaixam perfeitamente na vida de cada um de nós... quem nunca?
    Sempre passamos por momentos difíceis, que parece ser impossível dá mais um passo... Mas acredito que são essas as experiências que nos deixam mais fortes, e espero que assim esteja sendo com você... Sucesso ;)

    ResponderExcluir
  12. Que lindo seu texto! Você escreve muito bem e acabou por me fazer refletir bastante. Adorei e já quero ler mais textos seus. Muito sucesso para você!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Que texto maravilhoso, não sabia que você escrevia, tenho muitas saudades de quanto eu escrevia textos também, deu até vontade de voltar.
    Irei procurar outros dos seus textos pois amei.
    beijos

    ResponderExcluir
  14. Que texto lindoooo!
    Acho que é o primeiro seu que leio, já vou procurar os outros postados. Parabéns, queria eu saber escrever assim! haha (Bem que, eu nunca tentei)
    Posta textos mais vezes <3 <3
    Beijoos!
    http://estantemineira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. oi, tudo bem?
    que texto lindo, adorei. Eu sou mestre em fazer isso, 'me proteger' para evitar alguma dor, e com isso, já perdi muitos momentos e oportunidades.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Estava com tanta saudade de ler você, as coisas bonitas e doloridas que saem da sua essência. Seria redundante dizer que seu texto é lindo, porque você já sabe disso (e se não souber, é uma boba), mas acho que vale reforçar, né? Sou sua fã, hoje e sempre.

    Beijos
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM